• Home
  • /
  • Um diferencial para a sua empresa: E-mail com domínio próprio

Um diferencial para a sua empresa: E-mail com domínio próprio

Ainda que o WhatsApp e as redes sociais sejam um facilitador para se comunicar com o cliente, ter um e-mail é básico para qualquer empresa. 

Seja para fechar um negócio, realizar um convite formal ou enviar um e-mail marketing, os e-mails são necessários para transmitir a seriedade que a empresa possui. 

E, assim como ter domínio próprio para o seu site, ter um e-mail com domínio próprio também faz a diferença. Não que os e-mails gratuitos sejam inferiores, mas não são vistos com a mesma credibilidade quando tratamos de negócios.

Fonte imagem: penso.com.br

O que é um e-mail com domínio próprio?

Nada mais é que uma caixa de e-mail personalizada com um endereço exclusivo para você ou para sua empresa, por exemplo: contato@suaempresa.com. 

Criando um endereço de e-mail com domínio próprio, você tem alguns diferenciais, tanto na visão do cliente para sua empresa, quanto para a dinâmica do trabalho interno. 

Conheça agora quais as vantagens em escolher esse tipo de e-mail para o seu negócio.

  • Confiabilidade

Como já citamos, o ar de profissionalismo é muito maior com um e-mail com domínio próprio. Com ele, é possível agregar valor à imagem da empresa, pois os clientes podem se sentir mais confiantes e satisfeitos ao saberem, por exemplo, que podem enviar uma mensagem para o departamento ou pessoas certas para cada ocasião. 

  • Controle interno 

O responsável pelo e-mail consegue ter acesso a todas as mensagens, podendo alterar senhas, monitorar ações e bloquear acessos não desejados, conseguindo, ainda, manter a privacidade e a segurança dos dados da empresa. 

Assim, quando, por exemplo, uma pessoa assume o cargo que já pertencia a outra pessoa, é possível recuperar os dados antigos do e-mail e ficar ciente de todo o processo que irá assumir sem grandes problemas.

  • Eficiência no arquivamento

Outra vantagem do e-mail com domínio próprio é poder contar com a assistência da empresa que desenvolveu o seu e-mail para solucionar qualquer imprevisto ou eventuais dúvidas. 

O arquivamento e registros de mensagens também são realizados com muito mais eficiência, pois você pode criar subdivisões, de acordo com cada setor da sua empresa, onde os dados podem ser facilmente acessados de forma integrada por toda a equipe. 

Realmente é um ponto a se investir na sua empresa, não é mesmo? 

Ficou com alguma dúvida ou precisa de ajuda para implementar o e-mail com domínio próprio na sua empresa? 

Fale com a gente!

A sua estratégia de e-mail marketing está precisando se aproximar mais do seu público? Um bom relacionamento com a sua base é essencial para obter engajamento.

Nenhuma marca consegue sobreviver em qualquer mercado sem se comunicar bem com o seu público e mantê-lo por dentro de seus produtos e serviços. É necessário entregar um conteúdo que gere identificação e consiga direcionar essas pessoas até a conversão. Você pode fazer tudo isso com o e-mail marketing.

No entanto, isso não é tudo. Você também precisa adotar um discurso estratégico, entregar valor por meio do conteúdo e conhecer bem o que seu público espera do seu e-mail marketing para garantir engajamento nesse canal.

Descubra como se relacionar com sua base de e-mail marketing e manter o seu público engajado com o conteúdo:

1. Acerte no assunto

Se você não fisgar a atenção do destinatário logo no assunto, ele nem abrirá o e-mail e, com isso, a sua oportunidade de engajamento desaparece.

Use uma linguagem persuasiva, que imprima um senso de urgência e faça com que o público queira abrir aquela mensagem na hora que a recebeu. Tome cuidado para não prometer algo que não exista no conteúdo.

2. Segmente a sua base

Você não precisa mandar o mesmo conteúdo para todo o seu público. Na verdade, a sua estratégia de e-mail marketing ganha mais potencial de sucesso se você segmentar a sua lista em divisões menores.

A partir daí, você pode criar um material focado em cada parte, indo de encontro aos interesses e às características das pessoas que estão nelas.

3. Incentive a interação

Sabe aquele hábito de enviar e-mails com um “não responder” como remetente? Isso deve mudar e, além do mais, a sua postura deve ser oposta: a de convidar o máximo possível de respostas.

Faça perguntas, peça a opinião do seu público. Para que essa ideia funcione, você deve dar atenção a quem responder. Interaja com essas pessoas para que elas se sintam ouvidas e valorizem ainda mais os seus envios.

4. Agregue valor ao seu conteúdo

Por que o seu público gostaria de ler o seu e-mail? Para que a sua estratégia de e-mail marketing seja bem-sucedida, você precisa entregar algo de valor à audiência.

Leve em conta o perfil desse público e quais são as principais necessidades dele. Não invista em mensagens publicitárias vazias. Para conquistar a atenção dessas pessoas, você deve oferecer algo em troca.

5. Configure fluxos automáticos

Usando uma boa ferramenta de automação de marketing, você pode tornar a sua estratégia de e-mail marketing muito mais inteligente.

Dispare e-mails automaticamente a partir de certas ações do seu público em seu site ou nas redes sociais para mantê-lo engajado em seus assuntos. Explore as possibilidades e escolha aquelas que melhor se encaixam às suas necessidades.

Tendo em mente cada uma dessas dicas, está na hora de elaborar uma nova estratégia de e-mail marketing, focada em incentivar o engajamento e aumentar cada vez mais a identificação com o seu conteúdo.

O e-mail marketing é um meio altamente eficiente para melhorar a visibilidade da sua marca e dos seus produtos, então não deixe de aproveitar ao máximo esse potencial.

Agora que você já sabe as melhores formas de interagir com seu público, veja aqui no blog quais são as métricas que você precisa analisar no seu e-mail marketing.

Está com dúvidas em como acertar na hora de mandar o email marketing?

Acertar o público certo da maneira certa é arriscado e requer algumas dicas simples, porém de muita importância!


Personalize seus e-mails com o nome da pessoa:

Além de aproximar a sua empresa da pessoa em si, o email chama atenção e ela com certeza vai ler. Afinal, estão falando com ela.

Seja pessoal:

Utilizar o seu nome também é importante.

A aproximação é ainda maior e a pessoa sente mais confiança por estar conversando com alguém “de verdade”.

As pessoas se interessam em saber quem está por trás de um site.

Não envie e-mails todo dia:

Não seja aquele chato que envia e-mails o tempo todo com um assunto diferente.

Enviar conteúdo relevante é crucial, mas em excesso pode deixar a pessoa irritada e acabar perdendo um cliente.

 Software responsivo:

Tenha um software de email responsivo.

Muitas pessoas abrem seu email pelo celular e estar adequado a esse padrão já é um passo à frente.

Vá direto ao ponto:

Concisão nunca é demais e na correria do dia a dia ela é fundamental.

Não fique cheio de delongas e conversa afiada. Diga o que tem para dizer de forma clara e que atraia seu público.

 Call to action destacado:

Aquele ar de “quero mais” deve ser solucionado com um Call to action visível e impressionante, daqueles que a pessoa com certeza vai clicar.

 Teste sempre!

A ideia é não para nunca de ler, testar e relacionar suas experiências para ver qual delas funcionam de forma legal e atrativa.

O mundo de mídias digitais continua nos surpreendendo com suas técnicas e plataformas que melhoraram o funcionamento das empresas.

E a partir daí surgiu o Inbound Marketing.

Com estratégias de atrair voluntariamente os consumidores para o site das lojas, voltado em criar relacionamento  para que este retorne posteriormente e a considere algo muito além do que apenas uma loja virtual.

Quem está nesse meio digital sabe que as funcionalidades do Inbound têm muito a oferecer para a empresa.

Porém nem sempre é fácil colocar todo o papel em prática.

Aumentar a visibilidade do site, diminuindo o custo de aquisição de clientes em potencial e gerar conteúdos com eficiência otimizando os processos de venda é algo complicado que requer extrema dedicação e uma relação de estudo e cuidado constante.

As 5 etapas do Inbound (Atrair, converter, relacionar, vender e analisar) trazem relação quase de casamento entre a loja/cliente.

Se eu vejo um produto com conteúdo bem elaborado e que me atraia visualmente e emocionalmente já crio elo com ele e com a empresa.

Porém se alguma etapa acabar falhando, seja na hora da venda, ou em alguma outra parte que faça a pessoa ‘desencantar’  todo esforço pode ir por água abaixo.

O casamento vira divórcio.

O método deve ser completo. Mostrando seu potencial em primeira mão e sem fugir da ideia principal:

Aumentar as vendas, facilitando o retorno do investimento.

E o que fazem as Agências?

Agências que vendem esse tipo de conteúdo tem que serem excepcionais no que fazem para poder gerar resultados.

O mundo digital te possibilita crescer e expandir relações nunca então exploradas nos meios de comunicação tradicionais.

Você passa a ser um fornecedor de oportunidades de negócios aos seus clientes, muito mais estratégico que um fornecedor apenas de comunicação.

Um Inbound Marketing completo requer estudo constante.

Muito preparo, confiança e um prazer imenso de trabalhar dia e noite/noite e dia.

O resultado é como sempre satisfatório para todos os lados.

Saiba como você pode aplicar o monitoramento de dados na sua gestão de e-mail marketing.

e-mail-marketing-como-usar-o-monitoramento-de-dados
 

Para quem trabalha com marketing digital e e-commerce, a gestão de e-mail marketing é um velho conhecido. Afinal, mesmo após tantos anos e tantas mudanças na comunicação, especialmente, na relação empresa e consumidor, a ferramenta continua dando certo.

Porém, muitas estratégias não dão tanto resultado como antes e agora vemos a possibilidade de uma estratégia muito mais assertiva devido às recentes tecnologias de monitoramento de dados.

Nas ferramentas de disparo mais modernas, é possível identificar quais contatos abriram o e-mail, quais não abriram, em quais dias e horários a taxa de abertura é mais elevada, qual/quais campos atraem mais cliques, etc. Aliando estas informações aos dados registrados no administrativo da própria loja, a possibilidade de acertar o alvo é muito maior.

Normalmente os e-commerces possuem um histórico de compra e atividades realizadas por cada cliente. Assim, se o usuário X costuma buscar por determinado item, faz sentido que, no e-mail marketing, seja oferecido este item com algum desconto para aumentar o incentivo e, portanto, as chances de a venda ser concretizada ser bem maior.

Personalizar o e-mail marketing para cada um dos seus clientes talvez não seja uma ideia tão viável. Sendo assim, existe a possibilidade de fazê-lo para pequenos grupos. Por exemplo, no caso de um e-commerce de artigos esportivos: usuários que costumam comprar camisetas, usuários que costumam comprar tênis, pessoas que compram camisas de time, mulheres que tem afinidade com roupas fitness… É possível identificar ou confirmar a maioria destas hipóteses apenas observando, por meio de sistemas de monitoramento de dados, o comportamento dos consumidores.

Outras suposições podem ser confirmadas quando o cliente realiza seu cadastro. Basta adicionar um campo, de preferência opcional, para que o cliente registre suas afinidades. No caso deste e-commerce de artigos esportivos este poderia ser um exemplo desta etapa a ser adicionada no processo de cadastro:

“Agora que já colocou suas informações, que tal nos contar um pouco mais sobre você e suas preferências esportivas? Assim, nós poderemos preparar novidades e ofertas exclusivas de acordo com seus gostos e afinidades!

Qual seu esporte favorito?

Com que regularidade você pratica esportes?

No momento em que você passa a fazer esse tipo de pesquisa logo no cadastro, acaba por ser uma ótima opção de marketing, uma vez que o usuário já se predispôs a fazê-lo; é aquela velha história de “matar dois coelhos com uma cajadada só”.

Entenda porque o e-mail marketing pode ser uma ferramenta poderosa para o seu negócio.

Infographics background network communication. Concept Internet comunications. Set icons

O e-mail marketing é mais eficaz do que se imagina. Trata-se de uma poderosa ferramenta de marketing digital e um grande aliado do plano de comunicação que poderá trazer resultados em curto prazo a qualquer empresa que queira se conectar ao mundo online.

Existem diversos estratagemas para captação de visitantes a assinar a lista de e-mail de empresas e que podem alavancar os negócios de maneira surpreendente. O especialista Neil Patel explica em seu blog que podem ser usados 15 planos infalíveis para transformar hóspedes em assinantes do e-mail marketing.

Contra fatos, não há argumentos. Segundo pesquisas, uma campanha de e-mail marketing é 40 vezes mais efetiva em conquistar novos clientes que ações no Facebook e Twitter. Nenhuma ferramenta bate o e-mail marketing. Qualquer visitante que informe seus contatos em troca de algum tipo de conteúdo estará sendo tratado como cliente. Aí está a estratégia de inbound marketing, ou seja, este é o trabalho do marketing de atração – uma forma de publicidade on-line na qual uma empresa se promove de maneira mais efetiva.

Vale dizer que o e-mail é usado por todos.  Um dos fatores que torna o e-mail marketing mais eficiente é que enquanto outras mídias falam para um grupo, o e-mail dá exclusividade. Ele é destinado para uma pessoa e lido individualmente.  Daí, essa ferramenta pode ser trabalhada com conteúdo personalizado, pois transmite credibilidade. O e-mail oferece, ainda, a possibilidade de compartilhamento de conteúdo relevante e informativo, o que auxilia a transmitir confiabilidade perante o seu público.

Outro ponto a destacar é que essa ferramenta fortalece as relações. Na construção de um relacionamento sólido com os clientes atuais e futuros, o e-mail é um excelente canal para iniciar e manter uma comunicação de qualidade. Oferece informação à mão. Hoje, cerca de dois terços de todos os e-mails estão sendo abertos em um dispositivo móvel, como smartphones e tablets.

Pesquisas constataram que 91% dos consumidores relataram verificar seus e-mails, pelo menos, uma vez todos os dias.

Portanto, desenvolva ideias que chamem a atenção do leitor logo de cara, no campo “assunto” do e-mail.

O fato é que o e-mail marketing pode ajudar qualquer empresa a gerar mais visitantes no site e, assim, gerar lucro. Um estudo norte-americano revelou que 79% dos entrevistados preferem receber e-mails a qualquer outro meio.

Nas mídias sociais, como o Facebook e o Twitter, o usuário conta com uma intensidade de distrações. Isso não ocorre com o e-mail. Observa-se, portanto, que é a ferramenta adequada para se comunicar melhor com os clientes em potencial.

Com o envio de um e-mail, em apenas dois minutos, milhares de pessoas vão visitar o seu site.

Portanto, incentive seus assinantes a encaminhar seus e-mails. Motive-os, oferecendo valor do seu produto ou serviço.

Nem todas as soluções e-mail marketing permitem sugestões de encaminhamento, mas você pode verificar com uma ferramenta conhecida como “autor responder”. Caso não tenha isso disponível, encontre uma forma alternativa de conseguir que seus assinantes atuais espalhem o seu conteúdo.

Além disso, utilize QR codes para dispositivos móveis. Com os códigos QR (QR Codes), os usuários do seu site móvel ganham a oportunidade de acessar suas campanhas, incluindo os formulários de assinatura.

Métricas que são essenciais para um profissional analisar melhor sua gestão de e-mail marketing.

6-metricas-fundamentais-no-e-mail-marketing
 

Se a sua receita por e-mail marketing está caindo, aumentar o número de envios não é o ideal. Primeiro é necessário analisar se suas métricas se há algum problema – Para quem ainda não entende, métricas são uma ferramenta de medição de desempenho padronizado. Existem 5 razões sobre porque suas métricas de e-mail marketing são tão importantes assim:

1 – Enviados:

Esta é a face da implementação. É o momento em que o profissional de marketing olha quantas mensagens foram realmente enviados a partir lista de e-mails. Aqui, as métricas-chave são a distribuição e os e-mails enviados.

2 – Entregues:

Nesta etapa, nós olhando para identidade e aceitação. É a capacidade de entrega, ou entregabilidade. Já foi feita a verificação de Gmail e Hotmail, identificando quem somos e se os destinatários aceitaram nossos e-mails? Quando você está olhando para este estágio, deve pensar em: e-mails entregues.

3 – Abertos:

Um bom profissional de marketing digital não pode enviar um e-mail sem antes pensar sobre as percepções e impressões que ele pode gerar. Especificamente quantas pessoas únicas abriram a campanha e quantas vezes eles abriram.

Etapa do e-mail marketing que devemos está olhando para a intenção de compra / ação. É sobre causa e engajamento. Quantos links únicos foram clicados? Quantas pessoas únicas clicaram (responders)? E o principal: daqueles que abriram, quantos clicaram?

4 – Conversões:

A parte que nossos olhos brilham: a compra, a aquisição, a venda, o negócio fechado. É o que traz o retorno do investimento. Durante essa etapa, precisamos falar sobre conversões, receita, receita por e-mail e ticket médio. Se nós conseguirmos entender essa parte, podemos começar a planejar ROI pretendido e desenvolver outras hipóteses para testar.

5 – Desistências:

O palco do mal das métricas de e-mail marketing. A que faz encolher só de ouvir. Aqui estão as temidas unsubscribes e spam complaints. Isto é claramente desengajamento.

3 métricas de usuários que ajudam em suas campanhas de E-mail marketing

 

gestao-de-e-mail-marketing-3-metricas-para-fortalecer-suas-campanhas

Na gestão de E-mail marketing, quanto você conhece do seu cliente? Provavelmente você conheça apenas o nome e o endereço deles. Segundo uma pesquisa realizada pela Oracle com CMOs no início de 2015, 86% dos entrevistados têm atualmente acesso aos dados fundamentais, ou informações básicas com segmentação simples e personalização.

É um ponto de partida considerável, mas há muitos outros tipos de dados que lhe darão mais informações relevantes sobre a sua base de clientes, que lhe possibilitarão ações mais eficientes e eficazes.

Neste artigo falaremos das três principais características que lhes darão uma visão mais completa dos consumidores da sua marca, além de algumas dicas de como usar esses dados em suas estratégias de e-mail marketing: ciclo de vida, valor médio por pedido e latência.

1 – Latência:

A latência é caracterizada pelo número médio de dias entre cada compra que um cliente faz. Logo após que descobrir as fases do ciclo de vida do cliente, você poderá determinar que tipos de mensagens oferecerá em cada ponto na sua relação com a sua marca, a fim de atingir os clientes quando eles estão mais propensos a comprar novamente.

Exemplo prático na gestão de E-mail marketing: se o cliente médio leva 80 dias para fazer uma segunda compra, atingi-lo com mensagens de vendas imediatamente após a sua compra, provavelmente, não fará sentido. O que faz mais sentido é usar o período de “lua de mel” imediatamente após a compra para reforçar a marca de sua empresa, e depois, quando os clientes entrarem novamente em um ponto onde estatisticamente eles são mais propensos a fazer uma compra, começar a intensificar ofertas diretas.

2 – Valor médio do pedido:

O Average Order Value, ou valor médio do pedido, significa os valores típicos gastos por pedido de cada cliente. Para muitas empresas, o AOV sobe sempre em cada compra subsequente. Isso se dar porque os consumidores recorrentes confiam em sua empresa e gastam ainda mais, sentem-se confortáveis com a empresa, e se empenham em descobrir mais sobre quais produtos ou categorias estão interessados. Para calcular o valor médio do pedido, basta dividir o montante total que o cliente tenha gasto pelo número de pedidos que tenha feito.

Exemplo prático na gestão de E-mail marketing: se você perceber um dia ou momento específico em que o valor médio do pedido esteja maior, aja sobre ele imediatamente. Se for um segmento específico de seus clientes que gastam mais durante este período, você pode segmentar e enviar mensagens exclusivas a esse grupo. Se for outra coisa, como um tipo de produto que vende melhor, você pode segmentar todos os que compraram o produto no passado e testar um e-mail para eles com mensagens de cross sell ou upsell.

3 – Valor do ciclo de vida:

O Valor do ciclo de vida é um dos maiores indicadores de sucesso no varejo. Ele é definido como o total financeiro que um cliente gasta ao longo de toda a sua relação com a empresa. Muitos varejistas conhecem o seu CLV médio, mas, para criar campanhas de marketing personalizadas verdadeiramente, você precisa saber muito mais do que isso.

Em um exemplo, você pode determinar um CLV para diversos segmentos e públicos baseados em histórico de compras. Isso irá fornecer uma vasta quantidade de informações para criar mensagens de e-mail segmentadas. Provavelmente haverá uma sobreposição entre os seus clientes com uma CLV alta e seus melhores clientes, que são o pequeno grupo daqueles que são mais valiosos para você ao longo do tempo, tendo como base compras frequentes com os valores altos.

Exemplo prático na gestão de E-mail marketing: você pode configurar campanhas de e-mail com vantagens exclusivas apenas para clientes com um alto CLV. Há muitas maneiras de recompensar esses clientes, como descontos especiais, experiências VIP e eventos exclusivos. Você também deve ser estratégico em oferecer descontos para salvar remarcações mais altas e promoções relacionadas apenas para os seus clientes de alto valor, o que pode render grandes resultados.

Conheça pontos relevantes para você montar um relatório de e-mail marketing completo.

gestao-de-e-mail-marketing-dicas-para-montar-um-bom-relatorio
 

Uma das vantagens do marketing digital é o fator de tudo poder ser mensurado. Sendo assim, você criar uma estratégia de criou de campanhas e e-mail marketing e, logo em seguida não mensurar os resultados e apresenta-los para a quem interessa, pode resultar em interpretações bem distintas sobre o retorno de suas ações de e-mail marketing.

Por isso, vamos apresentar algumas formas para montar um bom relatório de e-mail marketing para que você consiga mostrar, em números concretos, todos os resultados obtidos em suas ações. E para isto, devemos fazer algumas perguntas fundamentais:

– Quais informações são relevantes para o negócio?

– Para quem vou apresentar o relatório?

– Essas pessoas conhecem termos técnicos ou é melhor ser mais didático?

Depois que você tiver essas questões já bem definidas, está na hora de começar a montar o relatório de e-mail marketing. Confira:

1 – Construção de um quadro geral:

Aqui, será o primeiro passo para a formulação de um bom relatório de e-mail marketing. Você deverá fazer um quadro geral possuindo todas as informações relevantes, sem que entre em detalhes em cada uma delas. Informações como quantidade de envios, de campanhas, de cliques, aberturas e conversões.

2 – Construção de um quadro de evolução mensal:

Aborde indicadores que demonstrem a evolução (ou até mesmo queda) em relação aos meses anteriores das ações de e-mail marketing. Será um relatório mais completo e específico. Aborde informações como, abertura, envios, receita, cliques, conversão, representatividade, ticket médio de clientes, ROI, dentre outros. A comparação dos resultados deverão ser feitos usando porcentagem.

3 – Crescimento da base de contatos:

Ter uma base de e-mails bem engajadas ajudará você a montar campanhas de fidelidade. Sendo assim, é importante que você mostre os resultados referentes aos seus envios. Mostre o crescimento da base de cliente, o nível de engajamento e os descadastros.

 4 – Negócio de performance diária:

 Você deve ficar atento aos dias em suas campanhas de e-mail marketing têm mais performance. São informações que te ajudarão a saber o momento exato para se comunicar com sua base de e-mails.

5 – Quadro geral por campanha:

A sua visão deve ser ainda mais específica para cada campanha feita dentro de um determinado período. Os mesmo dados que foram usados no quadro geral, poderá ser usados aqui, assim como, também, destacar as que deram mais resultados e as que tiveram os piores retornos.

6 – Quadro geral por oferta:

Esta dica serve mais para quem possui um e-commerce, em que você poderá construir um quadro com o objetivo de avaliar produtos divulgados X produtos vendidos. Você deve investir mais em produtos que trazem mais resultados, pois focar muito em produtos que não chamam a atenção de sua base só vai diminuir o engajamento com ela.

 7 – Cronograma:

É ideal que se faça um resumo de tudo o que foi apresentado e mostre novamente os pontos altos e os baixos do mês, juntamente com um cronograma para atividades dos próximos meses. É importante que se faça considerações relevantes e que se sugiram algumas ações para serem trabalhadas nos próximos meses.

Entenda melhor como funcionam as ações de triggers no e-mail marketing e sua importância.

e-mail-marketing-automatize-suas-acoes-com-estrategias-de-triggers
 

No e-mail marketing, tem se tornado comum uma estratégia bastante importante para aumentar o engajamento com uma lista de e-mails de uma empresa, o Trigger, ou gatilho, no bom português. Essa nova ação de marketing busca programar determinadas ações de acordo com o comportamento do cliente/lead.

Essa estratégia torna-se essencial para uma boa gestão de e-mail marketing, pois automatiza a comunicação e ainda tem a capacidade de manter ela personalizada, sempre criando em seu lead/cliente a sensação de ser único para sua empresa, resultando em um aumento de engajamento e vendas.

Entenda os pontos principais para um bom planejamento de suas campanhas de e-mail marketing usando o triggers.

1 – Público

Sabemos que para aumentar as chances de sucesso em suas ações de marketing, devemos conhecer a fundo nosso público alvo, e no trigger não é diferente, pois definir bem nosso público é de extrema importância.

Algumas perguntas te ajudarão a melhor pensar em como definir seu público: “com quem eu quero falar?”, “quem pode se interessar por meu produto?”. São perguntas determinantes no momento da definição do público alvo.

Impactar pessoas certas, no momento certo, com a mensagem certa, garantirá maiores taxas de retorno, impactando diretamente na conversão.

Painéis para criação de filtros mais visuais favorecem a visualização de todas as informações disponíveis. Por isso, não tenha medo de cruzar dados, mas mantenha o cuidado com o excesso na segmentação, pois os dados podem não ser consistentes o suficiente para gerar resultados satisfatórios.

 2 – Tempo

A estratégia de triggers não deve ser usada como disparos de e-mails em massa, você deve ter muito cuidado com os disparos, assim como a frequência e os horários.

Sua visão de suas campanhas deve ser bem apurada para evitar conflitos de e-mails, ou seja, você tendo várias campanhas de e-mail marketing acontecendo ao mesmo tempo, você deverá pensar bem nas datas de disparo de cada uma delas, tendo em vista que você não quer que a mesma pessoa seja impactada por vários e-mails iguais. Planeje bem o seu cronograma de disparos.

 3 – Repense a sua estratégia

Não deixa de rever as suas estratégias em alguns momentos ou até mesmo a todo tempo, se no caso precisar. Rever o assunto, arte, público, horários, frequências e etc. Saiba que todos os clientes mudam o tempo todo. Você precisa acompanhar isso.

Como os demais disparos em e-mail marketing, os triggers são, de certa forma, constantes testes de como os contatos irão interagir e quais aspectos podem ser melhorados para aumentar a performance.

Por proporcionar mais praticidade nos disparos automáticos, é muito comum que seja feito o acompanhamento inicial da demanda, mas com o dia-a-dia esse hábito se perder. É preciso que você volte periodicamente para revisar as principais métricas do e-mail e verificar se está atingindo seus objetivos. Tenha sempre um plano A, B, C ou, às vezes, até D e use-os quando necessário, com base nos resultados anteriores.

As estratégias e ações de triggers são extremamente dinâmicas e práticas, mas possui um grande potencial de performance para seu negócio. Você só precisa conhecer o seu cliente e entregar o que ele precisa. Por isso, a dica é que você não dependa delas para realizar suas campanhas diárias, mas que as considere como uma opção facilitadora.