• Home
  • /
  • O que é e por que reotimizar o seu conteúdo?

O que é e por que reotimizar o seu conteúdo?

Se você trabalha com conteúdo e ainda não conhece a reotimização, está perdendo uma boa oportunidade de melhorar o rankeamento do seu site, ou do seu cliente, sem precisar investir em anúncios pagos. 

A reotimização de conteúdo é basicamente um trabalho de reciclagem e aperfeiçoamento dos conteúdos que você já publicou, atraindo cliques de forma totalmente orgânica.


Gif: giphy.com

Atualizar um conteúdo já publicado pode trazer diversas vantagens para a sua estratégia. 

Como por exemplo:

  • Deixar os posts cada vez melhores, adicionando informações que você não havia pensado ou descoberto antes; 
  •  Melhorar a conversão através de novos links e CTAs; 
  • Aumentar o tráfego orgânico, onde suas atualizações poderão gerar melhores performances nas ferramentas de busca;
  • Reforçar a autoridade, pois ao realizar constantes atualizações e garantir melhores posicionamentos no Google, você estará reforçando a sua autoridade no assunto, se tornando uma referência. 

Quais conteúdos escolher para reotimizar?

Para fazer essa seleção, é preciso descobrir quais são os conteúdos que precisam de uma repaginada para melhorar seu posicionamento.  

Para isso, você pode usar o Google Search Console, que é uma ferramenta gratuita do próprio Google. Você se cadastra, cadastra o seu site, acessa o dashboard em que está escrito Search Analytics e recebe um relatório parecido com o Google Analytics, que mostra quantos cliques você recebeu por meio da busca orgânica.   

Com as informações colhidas, o mais indicado é que você trabalhe com os conteúdos que tenham posição média entre 8 e 15.

Quais pontos devo me atentar?

Com a análise feita e os conteúdos escolhidos, além de melhorar o seu conteúdo com informações atualizadas, é preciso se atentar a alguns pontos para o seu posicionamento ser ainda melhor.  

A data deve ser alterada, afinal um post atualizado é um post novo e, por isso, ao republicá-lo com a nova data, ele fica disponível na primeira página do seu blog.

Ter atenção com o redimensionamento é importante. Não é recomendado mudar a URL do post só porque atualizou ele, mas existem casos de otimização de SEO, em que essa mudança é necessária. Por isso, a dica é não se esquecer do Redirect 301. 

Não se esqueça de inserir novos links ao atualizar o conteúdo. Você pode estar usando conteúdos novos com referências antigas.

E, por fim, se você tem o costume de usar suas redes sociais para divulgar seus lançamentos de conteúdo, republique os conteúdos atualizados também. 

Lembre-se que é possível reaproveitar todas as coisas no mundo, inclusive informações úteis. 

Se gostou deste conteúdo, compartilhe com amigos.

Se ficou alguma dúvida sobre como reotimizar seu conteúdo, entre em contato e vamos trocar uma ideia. 

Primeiramente, você sabe o que são os indicadores de resultados e qual a importância deles? 

Os indicadores qualitativos e quantitativos são os elementos que mostram se as estratégias escolhidas estão trazendo resultados. Para defini-los, é importante ter em mente quais são os pontos importantes para o seu cliente. 


Imagem: minerandodados.com.br 

Qual a importância desses indicadores para uma agência?

Em cada parte da agência existem suas particulares e, com isso, pontos que são mais ou menos importantes. 

Como por exemplo em SEO, o tráfego orgânico mostra se uma estratégia está ou não dando certo. No caso da compra de mídia, o alcance de pessoas e a geração de leads também podem apontar a saúde do projeto.  

Já no caso dos conteúdos e design, por exemplo, os indicadores são outros e menos objetivos. Isso torna mais difícil saber se as estratégias estão dando certo e se o cliente está ou não satisfeito com o investimento que tem feito. 

Agora, é importante entender melhor o que são esses dois indicadores e como mensurá-los: 

  • Indicadores quantitativos 

Quando falamos de indicadores quantitativos, nos referimos ao volume de entrega, entrega dentro do prazo e aumento no número de visitas do blog, por exemplo. Por serem fatores objetivos, são mais fáceis de quantificar. 

No entanto, talvez o que você acha que está sendo um fator positivo pode não estar atendendo às expectativas do cliente. Por isso, para que eles mostrem de fato se os resultados estão satisfatórios, é necessário avaliar a satisfação do cliente. 

Para medir seus indicadores quantitativos de maneira ideal, é preciso unir itens objetivos e subjetivos. 

  • Indicadores qualitativos 

E quando falamos de indicadores qualitativos, torna-se um assunto mais subjetivo. Pois nele mensuramos se o cliente gostou ou não de um layout, por exemplo. Se o conteúdo de um artigo está adequado ou, então, se um artigo ou um layout está de acordo com a linguagem que o cliente costuma usar. 

Mas os feedbacks do cliente com “gostei” ou “não gostei” não são palpáveis e não oferecem uma base de comparação eficiente. 

Para medir esses indicadores a sugestão é torná-lo algo mais sólido, oferecendo ao cliente escalas de 0 a 10 para as avaliações. 

Assim, fica mais fácil pontuar o que precisa ser melhorado em cada setor da agência e acompanhar o desenvolvimento da equipe. 

Gostou do conteúdo? Compartilhe com os amigos! 

Ficou alguma dúvida sobre indicadores quantitativos e qualitativos? Entre em contato e vamos trocar uma ideia.

Já contamos em outros artigos do nosso blog que o comportamento do consumidor está em constante mudança e hoje, muitos fatores pesam na decisão de compras, como a aproximação com a marca e a experiência de compra. 

Afinal, ninguém gosta de receber respostas robotizadas ou ser atendido dessa forma. Mesmo com a tecnologia e suas facilidades, as pessoas necessitam de proximidade e quando uma marca tem isso, ela se destaca.

Fonte: giphy.com 

Portanto, se você deseja saber mais o que significa humanizar sua marca e como pode dar os primeiros passos para que isso aconteça, continue com a gente neste artigo. 

O que faz uma marca ser humanizada?

A humanização da marca consiste em aproximar a marca de seus clientes através de técnicas, métodos e ações. Assim, a marca entra no dia a dia das pessoas, se fazendo presente em alguns momentos. 

Para isso, é preciso que além de conhecer o perfil dos consumidores, é fundamental que a marca entenda as suas necessidades e motivações. 

Por que as pessoas gostam das marcas humanizadas?

Fonte: giphy.com

Cada vez mais as pessoas têm um papel muito mais ativo nos processos de comercialização. E isso faz com que os aspectos tradicionais, como preço e qualidade, não sejam mais os grandes protagonistas, e sim o compromisso das marcas. 

Por isso, as pessoas buscam marcas humanas, porque percebem que podem ajudá-las a cumprir com seus objetivos por meio do apoio contínuo e o acompanhamento personalizado. 

Como colocar isso em prática? 

Como tudo no marketing digital, existem estratégias para tornar sua marca mais humanizada. Mas é importante lembrar que toda a equipe deve estar realmente envolvida nesse processo. Afinal, não adianta tentar padronizar algo que tem que ser humano e verdadeiro. 

  •  Tenha um estilo único 

Assim como as pessoas, as marcas humanizadas precisam ter uma personalidade que as identifique e principalmente se diferencie das demais. 

Esse estilo envolve tom de voz, temáticas a serem abordadas, elementos visuais e a identidade corporativa de forma geral.

  • Deixe o lado engraçado ser visto  

A risada, além de uma característica humana, é uma linguagem universal. Sendo assim, se a marca é humana ela precisa mostrar seu lado engraçado. 

Com as redes sociais isso se tornou mais fácil através dos memes. Use eles quando achar que cabe na sua marca, mas sem exagerar ou fazer com que se torne vulgar e ofensivo.

  • Apresente quem faz o negócio acontecer 

Se o cliente ver a empresa apenas como uma logo, dificilmente vai se sentir próximo a ela. Por isso, apresente  quem está por trás de tudo. 

Mostre a equipe, faça stories mostrando o dia a dia, interaja com um rosto humano de verdade. 

Assim, sua marca se torna cada vez mais presente na vida do cliente não apenas como uma estratégia agressiva de venda, mas sim com memória afetiva de um atendimento próximo e humanizado. 

Ficou alguma dúvida? Entre em contato com a gente! 

Segundo uma pesquisa realizada em 2019, o Brasil é um dos cinco países que passa mais tempo conectado em todo mundo. 

Fonte: giphy.com

Isso significa que, em boa parte do dia, o brasileiro está navegando em alguma rede social.  E isso pode ser vantajoso para o seu negócio através do marketing de influência!

O marketing de influência é uma estratégia antiga, mas que vem se adaptando e fazendo sucesso cada vez maior nas mídias sociais e por toda a internet.

Ele se baseia em uma abordagem do marketing que consiste em praticar ações focadas em indivíduos que exercem influência sobre potenciais clientes de uma marca. 

Ou seja, através de um ou mais influenciadores, sua marca é recomendada para os clientes na hora de tomar sua decisão de compra.

Como usar o marketing de influência? 

Usar essa estratégia não é nada complicado, mas para quem está começando podem existir algumas dúvidas. E no decorrer deste artigo vamos te ajudar a saná-las para você ter resultados positivos com o marketing de influência.  

  • Defina seus objetivos 
Fonte: monografiaperfeita.com.br

O primeiro passo é definir qual o objetivo da sua campanha. Você deseja divulgar um produto? Fortalecer a marca? Captar leads? Gerar vendas?

Com essas questões levantadas e respondidas, você tem a meta principal para ser seguida na campanha.

  • Encontre o influenciador certo 
Fonte: pinkpng.com

Agora você terá que escolher quem dará voz ao seu negócio. Nem sempre contratar um influenciador com milhões de seguidores trará resultado se ele não tiver seguidores engajados ou se o público dele não tiver interesse no que seu negócio tem para oferecer. 

Procure um influenciador com público igual ou parecido com o do seu negócio para ter um impacto maior e, assim, atingir os objetivos traçados.

  • Faça ações em conjunto 
Fonte: ibdec.net

Após conseguir o acordo desejado com um ou mais influenciadores, está na hora de planejar e executar ações em conjunto que promovam seu negócio. 

Você pode optar também por usar diferentes canais para ampliar o alcance da estratégia. Independente da sua escolha, mantenha tudo sempre muito alinhado e garanta diálogo entre as ações.

  • Gerencie seus resultados
Fonte: gratispng.com

Com base nos objetivos estipulados no primeiro tópico, é hora de acompanhar o que está ou não trazendo retorno para você e para seu negócio.  

Para isso, você pode conferir métricas como ROI, taxa de conversão do público alcançado, entre outras. 

Com essas análises, mude o que for necessário para melhorar cada vez mais a sua campanha. 

Em caso de dúvidas, procure uma agência para te auxiliar em todos ou apenas em um processo específico e tenha muito sucesso com essa estratégia! 

Quando ouvimos falar em Inteligência Artificial (IA), a primeira coisa que nos vem à mente são poderosas máquinas que podem substituir diversos cargos e funções no mercado de trabalho, não é mesmo?

Não? Então deixe essa ideia para lá, já que a Inteligência Artificial está resolvendo muitos problemas e solucionando muitas necessidades de pessoas e empresas.

Ou seja, ela é nossa aliada e é utilizada em empresas de todos os portes e segmentos, seja em comércios, indústrias de ímã de ferrite, empresas de construção civil, entre muitas outras.

Por meio da Inteligência Artificial, é possível otimizar tarefas operacionais, assim como utilizá-las para auxiliar o marketing da sua empresa. Inclusive, para as ações de Marketing Digital, a inteligência artificial tem se mostrado um grande recurso.

Pensando nisso, nós elaboramos este post para te mostrar algumas maneiras de usar a inteligência artificial no marketing do seu negócio.

Quer saber mais sobre tudo isso? Então não deixe de nos acompanhar neste post! Vamos lá?

1- Qualificação de Leads

Uma das propostas mais utilizadas da inteligência artificial no marketing é ajudar a tornar a qualificação de leads mais rápida e precisa.

Isso se torna possível por meio do Machine Learning, que por sua vez, é a habilidade de uma máquina ou sistema aprender sem necessidade de programação.

Com o Machine Learning, é possível saber o que gera mais Marketing Qualified Leads (MQLs) e Sales Qualified Leads (SQL).

A cada venda feita pela empresa, os dados do Machine Learning vão sendo atualizado, tornando o prognóstico mais preciso para as novas possíveis vendas.

Assim, se sua empresa vende placa de circuito impresso, por exemplo, os vendedores podem ter mais clareza e desenvolverem estratégias mais precisas.

2- Mídia paga

Além disso, a inteligência artificial também pode auxiliar na criação de anúncios mais personalizados, chegando a serem segmentados apenas para leads qualificados.

Isso também é feito pelo Machine Learning. Por exemplo: se você está anunciando 

etiqueta código de barras na internet, o mecanismo interpreta qual combinação de anúncio faz mais sentido para determinado perfil de clientes.

A inteligência artificial fica responsável por analisar o comportamento do seu público na internet, desde os sites que ele costuma visitar, onde ele clica, entre outros.

Para você ter uma ideia, até o próprio Google anunciou que, em breve, todos os anúncios vão ser otimizados com o Machine Learning em sua plataforma.

3- Chatbots

E não podemos deixar de falar dos simpáticos e eficientes chatbots que estão muito presentes na web.

Eles também podem utilizar o Machine Learning para auxiliar um usuário a solucionar suas dúvidas sobre a empresa e seus produtos/serviços.

Os chatbots também podem utilizar linguagens mais informais e responder de forma instantânea um visitante. Assim, eles melhoram a qualidade das respostas e se aperfeiçoam de acordo com a sua experiência.

Agora que você já sabe sobre as maiores dicas para utilizar a inteligência artificial no marketing, o que está esperando para adotar essa tendência em seu negócio e se destacar? Gostou do nosso conteúdo? Conta pra gente!
Esse artigo foi escrito por Rafaela Ricardo, Criadora de Conteúdo do Soluções Industriais.

Pandemia e compras online

A pandemia causada pelo coronavírus, o Covid-19, fez com que muitos repensassem seu estilo de vida. O isolamento social foi a primeira resposta adotada mundialmente para conter o vírus. Desta forma, o mercado sentiu o impacto na diminuição do consumo.

Com o intuito de responder da melhor maneira possível e se relacionar melhor com seus clientes, mesmo à distância, as empresas tiveram que se adaptar ao novo cenário e desenvolver estratégias para continuar oferecendo serviços e produtos para os seus clientes de uma forma virtual.

A primeira consequência que as empresas sentiram para atender à recomendação do isolamento social foi se adaptar e adotar o regime de trabalho no estilo home office. Nesta mudança, afim de conter a pandemia, cria-se uma demanda de trabalho conectada nas redes. Cresce, então, o tempo gasto online. Consequentemente, as estratégias de venda tiveram que se voltar a este ambiente virtual. Redes sociais, mecanismos de busca, marketplaces dominam as mídias e meios de se consumir online. Pudemos também observar o boom dos vários apps de entrega a domicílio.

Um estudo realizado pela Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC) mostrou que os brasileiros aumentaram suas compras online, passaram a usar meios digitais de pagamentos e devem continuar com esses hábitos de compra e consumo no pós-pandemia. Segundo os dados, 61% dos clientes que compraram online durante a quarentena aumentaram o volume de compras devido principalmente ao isolamento social.

Como atuar no mercado digital em meio à pandemia?

Para aqueles que estão entrando agora no universo das vendas digitais por meio dos e-commerces se torna importante, neste momento inicial, ser proativo, afinal, na maioria dos casos não há verba disponível para gastar entre erros e acertos. A busca por um profissional que desenvolva um ecommerce atendendo tanto o seu negócio quanto a experiência de compra do seu usuário é essencial. Da mesma forma, se faz importante divulgar seu produto ou serviço. Todavia, para atingir seu público online, você também terá de investir em marketing digital. Aproveitar o momento para aprender mais sobre o assunto pode ser um ótimo investimento para o seu negócio.

A Agência R8 é full digital, ou seja, tem a expertise em criar e desenvolver estratégias de marketing para o mercado virtual. Desde a criação de websites e e-commerces até o gerenciamento de redes sociais e mídias do ambiente virtual. Caso precise de uma ajuda para fazer o seu negócio virtual, neste momento atual, se destacar, venha conversar conosco!

A psicologia das cores é algo sempre levado em consideração quando pensamos o branding de uma marca. Estudos mostram que as pessoas são levadas a tomar decisões por impulso influenciadas pelas cores que enxergam. Elas são capazes de influenciar o seu humor, de liberar substâncias no seu organismo e de influenciar o seu cérebro a fazer determinada ação. Deste modo, entender como o cérebro entende e interpreta as cores é algo essencial na hora de desenvolver uma marca ou produto.

Imagine a cena: você marcou de encontrar com um amigo numa tarde de verão em uma cafeteria perto da sua casa. O dia está muito quente. Você chega primeiro e se senta numa das mesas do lado de fora do estabelecimento para aguardar seu amigo. Nesse intervalo, um garçom pergunta se você deseja alguma coisa. Você pede um refrigerante. O garçom retorna trazendo uma garrafa gelada. Eu te pergunto: qual a cor do rótulo dessa garrafa que você imaginou? Você provavelmente irá responder: vermelho. É ou não é? A marca em questão, a Coca-cola, fez um excelente trabalho de branding em sua marca que, inclusive, influenciou, por meio das suas campanhas de natal, a cor pela qual conhecemos o Papai Noel hoje. Personagem esse que associamos a um bem-estar, um acolhimento e é o queridinho do mercado por estimular as vendas. Não é um excelente personagem para associar sua marca? Podemos observar o quanto a parte visual de uma marca é importante para consolidá-la no mercado e fixá-la na memória das pessoas.

Utilizar-se da Psicologia das Cores é um meio de chamar a atenção do consumidor. Ao conhecer uma marca, a grande maioria das pessoas, diz que um fator decisivo no momento da compra é a identidade visual do produto/marca. Suas cores podem ser responsáveis pela aceitação ou rejeição das pessoas.

Veja o significado das cores e como elas causam impacto no nosso cérebro:

AZUL

Representa tecnologia, saúde, purificação, acolhimento, frescor e paciência. Transmite calma, segurança e confiança. Aumenta a criatividade e produtividade.

VERMELHO

Representa prazer, sensualidade, paixão, entusiasmo, força, energia, liderança, intensidade e perigo. Transmite calor, confiança e proteção do medo/ansiedade.

AMARELO

Representa concentração, disciplina, lucro, inteligência, sorte, alegria, motivação e comunicação. Transmite credibilidade, otimismo, esperança, transparência. Ajuda a estimular a concentração e desenvolver o intelecto.

VERDE

Representa equilíbrio, natureza, fertilidade, juventude, riqueza, esperança, possibilidade, abundância e estabilidade. Transmite tranquilidade, harmonia, frescor e vitalidade. Está ligada à saúde e coerência.

LARANJA

Representa mudança, expansão, dinamismo, generosidade, aconchego, energia, criatividade, alegria e excitação. Estimula a área do cérebro que responde pela necessidade de repetição da experiência prazerosa. É uma cor amigável e convidativa.

ROXO

Representa mistério, sensatez, velocidade, inovação, concentração, sucesso, sabedoria e idealismo. Está relacionada a área do cérebro ligada ao planejamento de ações, resolução de problemas e pensamento abstrato.

PRETO

Representa elegância, poder, modernidade, sofisticação, anonimato e força.

Veja alguns exemplos de cores aplicadas a algumas marcas:

Psicologia das cores

E para escolher a melhor forma de combinar as cores, indicamos o ColorSupply. É um aplicativo gratuito da internet onde você consegue visualizar várias combinações harmônicas entre as cores de acordo com os vários tipos de escalas cromáticas.

E aí? O que você achou? Faz sentido? Sua marca possui as cores da mensagem que você quer passar para o seu público? Conversa com a gente!

É sempre muito bom poder contar com uma equipe engajada e capacitada. Com o endomarketing é possível motivar e envolver seus colaboradores, mantendo uma boa relação com eles e entre eles.

O endomarketing compreende estratégias que podem contribuir para que seus funcionários estejam bem informados, sejam reconhecidos e estimulados, por meio da comunicação interna, treinamentos e bonificação por resultados.

Como utilizar o endomarketing?

A equipe de marketing e de gestão de pessoas se unem para criar uma boa estratégia de endomarketing. Para isso é necessário criar ações de comunicação interna, vendendo a ideia da empresa para os seus colaboradores, enxergando cada um deles como seu cliente número um.

Então, é preciso fazer com que os funcionários entendam a missão, valores e objetivos mostrando a importância e a diferença do trabalho de cada um, tornando-os mais empenhados e eficientes.

Quer colocar o endomarketing em prática? Aqui vão algumas dicas:

  • Faça pesquisas de clima organizacional
  • Garanta um ambiente de trabalho saudável
  • Estimule momentos de integração
  • Promova treinamentos e cursos de capacitação
  • Ofereça benefícios

Quais as vantagens?

Empresas com colaboradores satisfeitos são mais produtivas e com muitas vantagens:

  • Aumento da produtividade
  • Colaboradores motivados
  • Redução do turnover
  • Clima organizacional saudável
  • Mais qualidade de trabalho

Dessa forma, todos saem ganhando. Aproveite as dicas e motive seus colaboradores.

Para você está começando as atividades do seu e-commerce, saiba que um dos maiores desafios é conquistar a confiança do consumidor para que sua loja venda. Ser reconhecido e ter sua marca consolidada leva um certo tempo, então como conquistar a confiança do cliente?

7 dicas para conquistar a confiança do consumidor

Tenha um site atraente e funcional

A aparência do seu e-commerce tem um aspecto primordial para adquirir a confiança dos clientes. Utilize imagens de boa qualidade e a descrição correta dos produtos. Invista em um layout diferenciado, com fácil navegação, design responsivo e evite pop-ups aparecendo o tempo todo. Utilize imagens de boa qualidade e a descrição correta dos produtos.

Conheça seu público

Antes de começar a vender, defina seu público-alvo e crie personas. Assim, será mais fácil definir e desenvolver uma linguagem para conversar com seu público e conquistar a confiança dele.

Mostre que sua loja é real e invista em marketing

Conte a história de sua loja, seu objetivo, mostre que ela é feita de pessoas reais, mesmo que você esteja sozinho nessa empreitada. Deixe visível o seu CNPJ, telefone e endereço e mostre a idoneidade de sua empresa e que ela pode ser localizada e contactada em caso de problemas.

Aposte nas redes sociais e blogs, afinal seu cliente utiliza essas ferramentas para pesquisar sobre aquilo que deseja comprar e para conhecer a reputação da empresa. Não fique preso às descrições de produto, eduque o cliente mostrando dicas ou algo inovador. Assim, ele ficará estimulado a visitar mais vezes o seu site e a interagir com sua marca.

Deixe aberto os comentários e os canais de comunicação

Deixe seu cliente a vontade para avaliar o produto e o processo de compra. Isso ajuda outras pessoas a ficarem informadas e conhecerem a experiência de compra em sua loja. Para comentários e avaliações negativas, sempre dê uma resposta. Afinal, você vai estar respondendo ao cliente que comprou e a todos os interessados em comprar em seu e-commerce.

Além dos canais para comentários e avaliações, invista em atendimento via e-mail, chat, telefônico e na agilidade nas respostas. Tudo isso contribui para a confiança dos consumidores.

Tenha uma política de privacidade e segurança

Informe ao consumidor que seu site possui política de privacidade e segurança e que possui certificações para garantir a segurança das informações fornecidas na página. Oferecer garantia de segurança na hora da venda é  extremamente importante para que a compra seja finalizada.

Além dos certificados de segurança como sistemas de criptografia, antifraude e selos de qualidade, utilize formas de pagamento conhecidas. Quanto mais segurança sua página oferecer, maior a confiança seus clientes terão.

Informe o prazo de entrega

Deixe claro o prazo para a entrega dos produtos e o serviço utilizado para que eles sejam entregues. Seu cliente vai contar que a encomenda chegue dentro do prazo estipulado e atrasos influenciam negativamente na imagem da sua loja.

Estabeleça uma política de trocas e devoluções

Estabeleça critérios para as trocas e devoluções, que esteja em conformidade com o Código de Defesa do consumidor, e informe aos clientes.

Ganhar a confiança do consumidor depende de várias medidas que devem ser tomadas para que a compra aconteça. Então, simplifique a venda e conquiste a confiança do seu consumidor.

A produção de conteúdo é uma parte decisiva para o sucesso de uma marca na web. É uma forma de criar cada vez mais motivos para atrair a atenção do seu público-alvo e causar nele um impacto positivo. Assim, em troca, você consegue clientes fiéis.

Um dos principais benefícios de trabalhar dessa maneira é ter acesso a uma boa seleção de formatos que podem ser aproveitados. Tanto em um blog quanto nas redes sociais, você pode criar tipos de material diferentes para alavancar os seus resultados.

Tamanha variedade, contudo, também se mostra um desafio. Você precisa saber como escolher os melhores conteúdos para as necessidades da sua estratégia e, assim, maximizar o seu potencial de retorno.

Para ajudar com isto, neste post veremos alguns formatos que você pode usar em sua produção de conteúdo!

Os principais formatos de produção de conteúdo para a web

Educativos

Sabemos que a internet é uma grande fonte de conhecimento, e a sua marca pode aproveitar a produção de conteúdo para atrair atenção dessa forma.

Usando o seu blog ou as redes sociais, publique posts cujo intuito seja educar a audiência sobre determinado assunto. Leve em conta, por exemplo, o que é importante que essas pessoas saibam ao interagir com sua empresa e seus produtos, de maneira que passem a se sentir mais próximas da marca.

Tutoriais

Que tal ensinar o seu público a realizar alguma atividade? Cada vez mais gente usa o Google para buscar tutoriais, então, pode ser bastante vantajoso para a sua visibilidade ter uma produção de conteúdo voltada a esse tipo de material.

Nesse caso, considere o perfil de audiência que você está tentando atingir e quais são as principais necessidades dela. Lembre-se também de elaborar tutoriais com linguagem simples e objetiva, que gere identificação junto aos leitores, para aumentar suas chances de sucesso.

Infográficos

Às vezes, uma informação fica muito mais fácil de se entender quando disposta em formato de infográfico do que de texto.

Dados estatísticos, gráficos de tendências, análises de segmentos, entre outros, são apenas alguns caminhos que você pode seguir ao usar infográficos em sua produção de conteúdo. Seja como for, conte com um design capaz de cativar seu público e tornar a transmissão de conhecimento mais eficaz.

Perguntas frequentes

Você recebe muitas dúvidas do público referentes ao seu negócio ou área de atuação? Que tal entregar informações de qualidade à sua audiência ao incluir um conteúdo de perguntas frequentes?

Basta selecionar um número adequado de questões que são muito enviadas e formatar o seu post respondendo a todas elas. Use um título atrativo, que consiga chamar a atenção de quem deseja saber mais sobre os temas respondidos.

Como planejar essa produção de conteúdo

Essas sugestões são ótimas para potencializar a sua produção de conteúdo e ajudar a sua empresa a alcançar resultados cada vez melhores. No entanto, se você quer ir além disso e atuar de forma altamente estratégica, precisa se basear no modelo do funil de vendas e planejar diferentes tipos de material para cada estágio de consideração do seu cliente.

É nesse momento em que devem ser considerados conteúdos como e-books, webinars, ferramentas e testes do seu produto, por exemplo. Esses formatos oferecem um aprofundamento maior, e ajudam a qualificar ainda mais o público impactado ao direcioná-lo até o ponto em que decide comprar de você.

Enfim, depois de todas essas dicas, está na hora de dar início ao seu planejamento!

Considere as particularidades do perfil do seu público-alvo e comece a experimentar diferentes formatos em sua produção de conteúdo. Então, analise os resultados para perceber de que formas a audiência está reagindo a eles e siga aprimorando a sua abordagem cada vez mais.

Gostou do post? Quais tipos de conteúdo você pretende usar primeiro em sua estratégia? Deixe-nos o seu comentário!